Orquestra‬

‎Orquestra‬ paralela de medos, e seria

Aquele som do vento aos meus ouvidos, um frio na espinha. Num viaduto haverá duas crianças sem medo, aparentemente sem medo. Pouco antes mais dois, olho profundamente; eram três. Uma família completa. Eu não tinha dúvidas alguém tinha errado o tempo naquele dia. Que erro meu, agora destruída. E quem diz que apenas por um piscar, não haverão mais piscares, suspiros. Eis um erro de um chefe, duas mentes de seis confusas, se compreendiam pois eram iguais, digo gêmeos. Na verdade houve morte e caso você seja alguém com um visão ampla, já tenha entendido. Foi por volta das 19 horas, uma das preferidas da morte. Mas em breve chegaria o agudo, os gritos, de duas cruas em plena luz de lua. Eu me sentia um péssimo maestro, não conseguia controlar minha própria sinfonia. Errei duas vezes em menos de 1 mês. Minha orquestra estava completamente fora do normal, sem mancal, sem luz astral jamais haveria manual. Estava mesmo precisando de um papo legal. Primeiramente em casa errei a planilha e sai irritado deixando a minha filha. Minha esposa querida nem se via, a sorte foi que alguém me criou, e este criará também minha cria. Mas saindo do paralelo volto ao reto. O que fizera eu, uso o fone, ou deixo tudo com fome. E faço novamente, é deixaria novamente. Seria em dobro?! O que importa, três se foram o que mais elas irão fazer que a vida implora e chora, oh… Luz de aurora a senhora que se espanta na hora em que mais se grita; mas que porra! Eu quero viver só, eu quero correr… Por que novamente, universo. Me lance no paralelo, me deixe consciente o quanto antes. Eu juro que tentava, mas o passo não passava. Todo mundo errava, a droga da criança gritava, eu preciso de uma solitária. Elas estão pasmas, brancas… Ah… Irei sentar me tremo as pernas, ninguém aparece, que rua vazia. É copa, e todo mundo se fantasia. Rua, rua vazia quem diria. Eu tento olhar para elas, eu tento. Mas isso me irá fazer retornar de onde nunca iria mais pensar em deixar. Eu estava quase lá. Eu sinto medo, e sei disso John… Os deuses são realmente um conceito e não só deuses, mas o dinheiro o status. E tudo se resume em medir nossas dores. Mas que medo, qual será o segredo para existir um paraíso? Eis me aqui. Já disse tantas vezes. Está tão frio que meu casado que retirei do carro emprestei para não haver arrepio ao tato. Eu tomo decisões, eu tenho escolhas. E eu quero escolher desaparecer. Mas como, não tenho mala em meu coração, como conseguirei dividir meu pão. Por que você não morre morte! Agora eu tenho lágrimas ao ver mão pendurada na vidraça daquele golf prata. Eu tenho que resistir, tentar voltar sorrir. Já está tão auto a frequência do som, já passam das nove e ainda não pensei em nada bom. Voltar, buscar, trazer, levar … Escolha pelo menos algo útil na sua vida canalha! Eu dizia a mim mesmo, talvez o sexto. Sexto erro consciente, mas estamos flutuando? Somos algo que tem dentro, ou algo nos tem dentro? Eu me debatia, as crianças sorriam, eu ouvia. Então levantei, peguei o celular e liguei. Passando-se 15 minutos a ambulância já levava a senhora com um pouco de arrogância. Se por um lado arrogância, o outro havia perdido toda a esperança. E confirmado, três saíram desde mero talvez fato. Sinto cair de um prédio de quinze andares… Acordava estava ao lado de minha amada, sentia mesmo um violino sem capa. Merda! 

Anúncios